terça-feira, 14 de agosto de 2018

Eleições: o que querem as mulheres brasileiras?

Mulheres são mais céticas, mais pessimistas, mais indecisas e mais propensas a anular ou votar em branco do que os homens. Comentário de José Casado no jornal O Globo:


São 77,3 milhões e têm poder decisivo nas urnas, com maioria (52,5%) dos votos. É essencial prestar atenção ao que pensam e dizem sobre eleições, candidatos à Presidência e o futuro governo. Pistas surgiram na semana passada, em atualização semestral da série Retratos da Sociedade Brasileira, pesquisa realizada pelo Ibope e Confederação Nacional da Indústria.

As mulheres (71%) se dizem céticas, mais pessimistas, mais indecisas e mais propensas a anular ou votar em branco do que os homens. Entre eles, essa proporção é bem inferior (64%), embora significativa.

Pode-se atribuir essa repulsão generalizada, com forte tom feminino, às circunstâncias de uma eleição sob o estigma das revelações da Operação Lava-Jato (corrupção transparece como principal motivo para ausência, voto nulo ou branco.)

Com os descontos, sobram percepções básicas sobre o país que as mulheres querem. Elas repisaram tudo aquilo que haviam indicado seis meses atrás na mesma pesquisa.

As preocupações se distinguem, por exemplo, naquilo que o próximo presidente deveria estabelecer como prioridade de governo:

Metade das mulheres aponta mudanças sociais para redução das desigualdades sociais, como a melhoria dos serviços estatais de saúde, educação e segurança.

Homens acham que deveria ser prioritária a moralização da administração, com ênfase no combate à corrupção e na punição dos corruptos.

Seis em cada dez mulheres veem no desemprego o principal problema. Já entre homens a maior inquietação (59%) é com a corrupção.

Instigadas a relacionar três prioridades de governo, a maioria (51%) foi incisiva: saúde. Atribuem às deficiências nos serviços de saúde uma precedência isolada (41%).

No mundo masculino as preferências se dividem entre redução de impostos (33%), controle da inflação (32%) e melhorias na saúde (32%).

Quem sai de casa para caçar votos não deveria esquecer: urna é substantivo feminino.

3 comentários:

Anônimo disse...

A resposta é a mesma no mundo todo com o eleitorado feminino: A mágica do Governo bancando tudo de "graça". Em todas as eleições mais de 60% do eleitorado feminino vota no candidato/partido que oferecer mais benefícios governamentais.

Maria Gontijo disse...

Ou seja: estamos nas mãos das antas, não é, Anônimo? Pensar em apoio à iniciativa privada que seria desejável, nada!
Mulheres quanto menos estudaram mais querem proteção. Proteção do pai, proteção do marido, proteção do Estado e - claro - proteção de um bom filtro solar fator 60, no mínimo.
Se virar que é bom não querem.
Triste e lamentável.

Anônimo disse...

Mesmo essa divisão, elementar e óbvia, do eleitorado me parece desnecessária. O que qualquer pessoa quer é um governo eficiente nas poucas áreas em que deve atuar e que não encha o saco.