segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Na Alemanha ou em Sobral, atropelar gente é coisa de desequilibrado.

Coluna de Alexandre Garcia, via Gazeta do Povo:


Os ministros Sergio Moro e Fernando Azevedo e o advogado-Geral da União, André Mendonça, inspecionaram a segurança pública em Fortaleza nesta segunda-feira (24) e chegaram à conclusão de que a cidade está tranquila e não há tumulto nas ruas.

Moro disse que a presença das tropas federais no Ceará é para dar tranquilidade enquanto houver a crise com a polícia militar e para que o governo dê uma solução nessa crise.

Moro quer que os policiais possam voltar ao trabalho – eu nem diria ao trabalho, e sim à sua missão. Porque ser policial militar é uma missão e não exatamente um trabalho.

Foram afastados mais de 160 PMs, alguns foram presos e outros, declarados desertores. Disseram que não haverá anistia para não estimular novos movimentos semelhantes. Quando a pessoa entra em uma instituição militar não existe greve e sim motim.

O ministro Sergio Moro elogiou os policiais brasileiros mesmo assim, dizendo que eles arriscam a vida pela vida dos outros, que eles se arriscam pelo patrimônio dos outros e que essa é uma profissão que merece ser valorizada.

A presença federal no Ceará é para dar tranquilidade à população e serenar os ânimos. Uma bela mensagem do ministro da Justiça. As tropas federais estão no estado para proteger, segundo Moro.

Na Alemanha e em Sobral

Na Alemanha, numa cidade de 7 mil habitantes, um sujeito de 29 anos atropelou dezenas de pessoas que estavam na rua pulando carnaval. Ele foi preso. A polícia disse que não sabe se foi um desequilibrado.

Eu acrescento à fala da polícia: será que não é um desequilibrado que andou vendo as notícias de Sobral, no Ceará? Ele viu aquilo e pensou que deveria atropelar as pessoas.

O senador Cid Gomes está licenciado por interesse particular e sem remuneração. Por isso o suplemente dele assumiu. O substituto é irmão do prefeito de Fortaleza. Ele se licenciou para trabalhar pelo PDT na eleição municipal deste ano.

Sargento da cocaína não se mostrou digno da farda

Foi condenado aquele sargento da Força Aérea Brasileira que estava com cocaína no avião de apoio da viagem do presidente Jair Bolsonaro, em junho do ano passado, e foi preso na escala na Espanha.

A pena dele é de seis anos, na Espanha, e terá que pagar uma multa que equivale a R$ 9,5 milhões. Eu não sei de onde é que ele vai tirar esse dinheiro, não sei se ele já vendeu cocaína o suficiente.

Ele era do grupo de transporte especial da Força Aérea. No governo Dilma, ele viajou com a presidente. No governo Temer, ele viajou com Temer. Ninguém sabe se ele vendia droga naquela época.

O sargento estava com 39 quilos de cocaína. Aqui no Brasil, ele está sendo considerado réu pela Justiça Militar e deve ser expulso da Força Aérea. Talvez ele pegue alguma pena.

Ele não se mostrou digno da farda que vestia. Ele vestiu a mesma farda que vestiram os heróis do Senta A Púa! da Segunda Guerra Mundial, que foram os maiores veteranos dos céus da Itália de aviação de caça.

Botando o Brasil nos trilhos, com trilhos da China

Nós estamos botando o Brasil nos trilhos. Só aquela ligação de Ilhéus à ferrovia Norte-Sul dá um trecho equivalente de Berlim a Roma. Estamos investindo em trilhos e esse é o futuro do transporte do país.

Um país desse tamanho não ter trilho é uma vergonha, é um atestado de burrice estratégica. Mas agora estamos tendo a inteligência de lançar trilhos. Só que não produzimos trilhos.

O Brasil tem o melhor minério de ferro do mundo e não produzimos trilhos. Nós vendemos minério de ferro para a China, que fica do outro lado do mundo, e depois importamos trilhos da China.

Um comentário:

Anônimo disse...

Não tem trilho? Não tem problema, vai de retroescavadeira.