segunda-feira, 29 de junho de 2020

Guzzo: "Não há nenhuma área em que o governo Bolsonaro vá tão mal quanto a educação".

Prioridade para Bolsonaro, o ministério da Educação tem sido um fiasco para seu governo. Coluna de J. R. Guzzo para a Gazeta do Povo:


Não há nenhuma área no governo do presidente Jair Bolsonaro que tenha ido tão mal, desde 1º. de janeiro de 2019, quanto a educação pública. Nestes dezoito meses o presidente já conseguiu trocar três vezes de ministro da Educação, uma comprovação clara de que nunca teve a menor ideia a respeito do que estava fazendo ao assinar as nomeações – ninguém troca três vezes seguidas um dos quatro ou cinco ministros mais importantes na multidão ministerial que congestiona o tráfego em Brasília sem ter errado em pelo menos duas.

O país espera, agora, que Bolsonaro tenha enfim acertado. Para um governo e para um projeto que se comprometeram a fazer mudanças reais na sociedade, uma educação de qualidade, coisa que todos os governos anteriores negaram à população, é absolutamente crítica.

Muitos dos que apoiam o governo do presidente Bolsonaro argumentam que ninguém pode falar mal dos ministros escolhidos até agora por ele quando se considera que o Brasil já teve como ministros da Educação, na era Lula-Dilma, ninguém menos que Tarso Genro, Fernando Haddad, Aloizio Mercadante ou até mesmo, acredite se quiser, Cid Gomes – ele mesmo, o homem da motoniveladora. Tudo bem: pensando assim qualquer um é melhor. Mas e daí?

Não foi para ter ministros apenas menos ruins que Haddad ou Cid Gomes que a população elegeu este governo. Foi, pelo que se prometeu na campanha, para salvar a área da ruína suicida instalada ali pelo PT – um desastre que é o responsável número um, disparado, pela desigualdade, concentração de renda, injustiça e culto ao privilégio que envenenam a sociedade brasileira.

Essa calamidade não foi inventada por Lula e Dilma, sozinhos; vem desde a escolinha do padre Anchieta no Pátio do Colégio, em São Paulo. Mas ambos levaram a educação publica neste país ao fundo mais fundo dos poços – e a ansiedade do eleitorado por melhoras reais no setor foi um dos motivos que deu ao presidente a sua vitória em 2018.

Um ano e meio depois, a situação está igual à de sempre. Os ministros, até agora, desperdiçaram todo o seu tempo querendo livrar o ensino básico da propaganda esquerdista que tomou o lugar dos currículos escolares, e vem desgraçando há anos a qualidade do conhecimento que deveria estar sendo passado aos alunos.

Passou a fazer a mesma coisa, com sinal trocado – e isso simplesmente não é a resposta para a péssima qualidade da educação oferecida às crianças e jovens brasileiros. A resposta não é fazer um ensino de esquerda, de centro ou de direita – é prover ensino com um padrão mínimo de qualidade, capaz de qualificar efetivamente os alunos a ler, escrever e compreender um texto escrito em português, aprender as operações fundamentais da matemática e receber uma base para entenderem as ciências.

Mais: é ter coragem, enfim, para transferir da universidade para o ensino fundamental a maioria dos 125 bilhões de reais que o contribuinte está pagando, só em 2020, para sustentar o ensino público. Enquanto este país de analfabetos continuar concentrando no ensino superior, e no bolso de professores e funcionários, a maior parte do dinheiro empregado na educação, o Brasil continuará sendo o paraíso da desigualdade que está aí. O resto é pura empulhação.

Um comentário:

César de Castro Silva disse...

Meu caro Guzzo, quem produziu tanta "universidade" e por que, em detrimento do ensino fundamental e técnico????

Onde tem a maior concentração de professores esquerdistas, que em vez de ensinar os alunos levam o tempo em doutrina-los?