quinta-feira, 26 de novembro de 2020

O PSOL e a empreiteira


Além de Caetano Veloso, outra grande doadora para a campanha do socialista Guilherme Boulos à prefeitura de São Paulo é uma das herdeiras da impoluta empreiteira Andrade Gutierrez (ah, a Lava Jato). Coluna de J. R. Guzzo para a Gazeta:


Eis aqui mais um retrato da vida como ela é, e não como imaginam que ela seja nas mesas redondas que discutem política na televisão. Um dos maiores doadores para a campanha do candidato do que se apresenta como de “esquerda-raiz” para a prefeitura de São Paulo não é nenhum sindicato de trabalhadores – e o dinheiro não vem de nenhuma vaquinha de “pessoas em situação de rua”, os grandes clientes nominais do Partido Socialismo e Liberdade (Psol).

Quem aparece na papelada da justiça eleitoral como a terceira maior doadora da campanha paulistana do Psol, com um total de 88.000 reais, é uma herdeira da empreiteira de obras públicas Andrade Gutierrez. E daí? Milionário também é gente; tem todo o direito de doar seu dinheiro para quem bem entende. O problema não está aí. Está numa razão social: “Andrade Gutierrez”.

A construtora, como se sabe, é uma das empresas mais corruptas do Brasil – não porque costumava aparecer regularmente no noticiário da ladroagem nacional, mas porque são seus próprios diretores que dizem que ela é corrupta. Tanto é assim que eles mesmos, por sua livre e espontânea vontade, confessaram os crimes da empresa no assalto geral ao dinheiro público empreendido durante os governos Lula-Dilma.

Mais: fizeram “delação premiada” na Operação Lava Jato. Mais ainda: devolveram ao erário R$ 1 bilhão do dinheiro roubado. (Alguém, “na jurídica” ou “na física”, devolve voluntariamente dinheiro que não roubou? Ainda não se sabe de nenhum caso.)

É a velha história: quando se trata de dinheiro, dizia Voltaire, todo mundo é da mesma religião. A diferença entre os altos propósitos socialistas do partido e o dinheiro da herdeira é igual a zero; política real é isso, e não conversa que só aparece em jornal, rádio e televisão.

O PSOL tem o direito de receber e a doadora tem o direito de doar, é claro, mas sempre é bom ficar claro que as coisas são assim – e que não têm nada a ver com o palavrório de campanha. É o “mecanismo”. É assim que ele funciona.

O maior doador da campanha do PSOL em São Paulo é o cantor Caetano Veloso, outra estrela da nossa elite capitalista, com R$ 100 mil. Mas há uma diferença, aí. Caetano ganhou esse dinheiro unicamente com o seu trabalho – e não se chama Andrade, nem Gutierrez.

6 comentários:

Anônimo disse...

Esse Boulos ainda vai bandear para mais próximo do Centrão e se distanciar dos militantes intérpretes de pobres sem teto.

Orleans disse...

Como sempre, o povo lixo elegendo bandidos.
Tem mais é que se ferrar mesmo.

Geraldo Andrade disse...

A respeito deste assunto, um amigo meu disse o seguinte: "Todo bilionário (geralmente da segunda geração pra frente, aqueles que nunca souberam o real significado da palavra TRABALHO), o que eles sentem eu chamo de ANGÚSTIA DA FARTURA.
É uma doença que os transforma em PSEUDO-SOCIALISTAS: defendem a causa, apoiam a causa, mas nunca abrem mão de suas FORTUNAS em FAVOR DA CAUSA.
A alimentam apenas com MIGALHAS, que satisfazem seus egos e enganam ATIVISTAS que por IGNORÂNCIA ou INTERESSE PECUNIÁRIO, a defendem com unhas e dentes.
Na grande maioria dos casos, estas doações são transformadas em benesses financeiras e facilidades para que o FDP se locuplete ainda mais do dinheiro público." Na mosca!!!

Anônimo disse...

Dão dinheiro para o pobre,desde que esse pobre castigue os ainda mais pobres!

Anônimo disse...

Dão dinheiro para o pobre,desde que esse pobre castigue os ainda mais pobres!

Land disse...

Boulos vai imitar a gestão da Erundina: um arraso! Deus me livre, toc toc toc...