segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Pandemia, meu amor.


A festa brega do Réveillon vem aí para ajudar a aumentar a segunda onda. Luiz Felipe Pondé, via FSP:


Muitos deveriam confessar o seu amor inconfesso pela pandemia. Mas pega mal. O mundo hoje é mais hipócrita do que na era vitoriana.

A propósito, segunda onda de de contágio por coronavírus não é uma conversinha. Pessoas morrem de Covid. E cada vida é um absoluto, um mundo que termina junto com ela. Há que se reverenciar os mortos e os que sofrem.

Mas isso é coisa difícil de pegar hoje em dia. Não só Bolsonaro é um boçal. A boçalidade é uma tendência de mercado - um marqueteiro bom ensina você a ser boçal com estilo. De cara, ele mostrará que reverência é algo da ordem do preconceito e da heteronormatividade patriarcal opressora. A crítica tornou-se ridícula.

Voltemos à segunda onda. Para começo de conversa, com a sensibilidade de vira-latas que temos, se houve um segundo aumento de infecções por coronavírus na Europa, somos obrigados a registrar isso por aqui também. Do contrário, seríamos pobres demais até para a Covid. A festa brega de Réveillon está aí para nos ajudar.

Talvez essa pandemia não acabe nunca. Se o ar da morte já teve sua majestade - nas palavras do escritor Georges Bernanos, no século 20 -, hoje o ar da morte é aquele clima da banalidade de uma feira. Estamos a caminho de naturalizar isso como um ativo. O mercado não nos deixará esquecer.

Até aí, nada de novo. No romance "Almas Mortas", de Nikolai Gógol, autor russo do século 19, o personagem central compra nomes de servos mortos, mas que ainda não constam na lista de óbitos do último censo, para posar de rico, como se tivesse muitos criados. Quando chega a uma nova cidade, sempre pergunta: "Qual é a febre que está matando por aqui? Quantos já morreram?".

A Covid-19 não é mais só uma commodity - ela se tornou networking. Profissionais da ciência tem seus avatares para investir no seu marketing digital. Trabalhos fragmentados e previsões apressadas não respondem à velocidade da demanda da mídia por informação. A ciência não foi feita para o frenesi das câmeras. Sua vocação é mais monástica.

As pessoas falam de segunda onda agora como se falava da última moda na França e das mulheres que traem seus maridos fumando Gitanes. A Covid é uma sociabilidade. E, por isso mesmo, uma fofoca. Logo farão webinários sobre a nova "consciência da Covid".

A doença é uma das melhores efemérides para a mídia nos últimos anos. Torres gêmeas, Charlie Hebdo, Bataclan, Estado Islâmico, Trump (logo a imprensa vai se cansar de festejar a vitória de Biden e vai chorar a perda de assinantes), Bolsonaro e Covid.

Já a política na pandemia demonstrou estar acima até mesmo da morte. A política é mais importante do que a epidemiologia.

Existem causas que têm o direito de espalhar vírus, mas outras que não. No fundo do coração, ficamos até felizes de ter mais uma desculpa pra humilhar algumas pessoas e dizer: "Você viu que ela não estava usando máscara?! Sempre soube que ela era umazinha".

O marketing como um todo festeja a pandemia como "a tendência". Como "o rompimento de paradigma". O século 21 finalmente aconteceu. Agora podemos mandar embora e despedir todos os velhos com amor, já que eles são grupo de risco e precisam ficar em casa.

Quem ia imaginar que um dia a natureza nos daria uma graça dessas? Hoje a inovação é necessária. Todos serão millennials - ou morrerão.

O marketing está em festa com toda uma linha de produtos novos e aliados a uma ideia que a modernidade sempre adorou - a de que devemos eliminar germes e qualquer impureza do cotidiano.

Até os mais paranoicos são contemplados pela graça da pandemia. Afinal, o mundo é mesmo um monstro e devemos ter medo. Felizes, fazem selfies com máscaras e mantêm a autoestima em alta.

Os grupos de WhatsApp de mães das escolas infantis terão muito tempo para a "Chucky Covid" e todo o gozo de terror que elas adoram. Será que as crianças sobrevirão às projeções narcísicas dos jovens pais que não deixarão os filhos pequenos voltarem à escola?

Enfim, rasguem a fantasia, saiam do armário e gritem alto: "Pandemia, meu amor, não vás embora, pois meu coração ficaria vazio sem ti!".

Espero que a velha inércia triste desta espécie pré-histórica nos salve desse ridículo e, com o charme do Alto Paleolítico, varra esse gozo mórbido para a lata de lixo dos tempos.

3 comentários:

Anônimo disse...

Pondé ou enlouqueceu ou ficou burro!!!!!!

Anônimo disse...

Foi vestir a camisa amarela da Bolha, se deu mal...

Anônimo disse...

É professor a matrix do medo e sua histeria gera lucros imensos! Um minuto de fama vale muito para um anônimo da ciência, afinal quase ninguém entende essa tal de “ciência”. Ficaria com a fala de Piotr Stiepanovitch – Os Demônios de Dostoiévski – “É verdade que ao vir para cá pensei primeiro em ficar calado; mas acontece que calar é um grande talento, por conseguinte não ficaria bem; em segundo lugar, seja como for, calar é perigoso; pois bem, resolvi em definitivo que o melhor é a gente falar e precisamente por mediocridade, isto é, muito, muito, muito, apresar-se muito em demonstrar e acabar sempre se enredando em suas próprias demonstrações, de modo que o ouvinte sempre se afaste de você, fique sem saber o que dizer, mas o melhor é que dê de ombros”.