quinta-feira, 13 de maio de 2021

As verbas que Bolsonaro distribui aos parlamentares sinalizam descontrole político


Coluna de William Waack no Estadão (Acabou o "toma lá"):


Qualquer o nome que se dê ao monte de dinheiro que Bolsonaro entrega a parlamentares amigos, do ponto de vista político equivale à esperteza de amarrar uma corda ao redor do próprio pescoço. Desde a redemocratização não há registro de chefe do Executivo brasileiro que tivesse se rendido dessa forma às amorfas forças políticas conhecidas como Centrão, especializadas em manter-se próximas dos cofres públicos.

Desde sempre (tomando 1988 como data-base) o sistema de governo brasileiro opõe uma figura forte (o presidente da República, vencedor de uma eleição plebiscitária) a um Legislativo com extraordinárias prerrogativas (e cada vez mais fracionado e sem coesão ideológica). O instrumento “tradicional” nesse regime, desde sempre, foi a troca de cargos políticos (especialmente os que “furam poços”) e verbas orçamentárias por apoio no Congresso.

É o famoso “toma lá, dá cá”. A “genialidade” política de Bolsonaro consistiu em eliminar o “toma lá”. É o primeiro chefe do Executivo que literalmente entregou aos parlamentares a alocação de recursos via Orçamento – uma ferramenta essencial de exercício do poder já que a outra – a capacidade do Executivo de ditar a agenda política – Bolsonaro não foi capaz de exercer por inaptidão, incompetência, falta de ideias ou tudo isso junto.

Diante do único horizonte que interessa ao presidente, o de 2022, o “dá cá” ficou bem definido: é permanecer onde está para disputar a reeleição. O que se perdeu (assumindo que tivesse existido como plano elaborado) é o “para quê?”. Quem teve a oportunidade de conversar a sós com Bolsonaro sabe que ele nunca foi capaz de responder de forma coerente a uma pergunta muito simples: para onde pretende levar o País?

Não foi difícil às eminências pardas de plantão na política ocupar o espaço que Bolsonaro deixou aberto. Talvez a figura mais influente de seu governo hoje seja a de seu filho, o senador Flavio Bolsonaro, aliado a um conjunto de figuras que exercem a função de “consigliere” saídos do que se chamaria das sombras do mundo jurídico, nelas incluídos advogados e magistrados. Seu poder emana das traficâncias nos bastidores de tribunais superiores, dando aos ares já pesados dos bastidores da política em Brasília um forte componente de sordidez.

Cria-se muita ebulição e efervescência no ciclo de 24 horas de manchetes, mas o quadro geral é de perda de controle. Sua expressão mais acabada está na sigla “RP9”, a que identifica no Orçamento as agora famosas “emendas do relator”. Elas não são outra coisa senão a consagração dos acordos informais entre a cúpula do Congresso e o Executivo para distribuir a grana do Centrão, que acaba sendo fatiada numa série de sub-acordos regionais, setoriais e pessoais (com ou sem superfaturamento) sem centralização ou coordenação – traços evidentes de um governo desarticulado.

A descrição eloquente e detalhada desse quadro – o de um governo sem rumo e projeto digno desse nome, em parte à mercê de palpiteiros – foi até aqui o principal resultado trazido pelos trabalhos da CPI da pandemia. Os depoimentos sobre a maneira como o Planalto enfrentou a crise de saúde pública confirmam a existência de uma “estrutura” (embora não seja formalizada nem organizada) paralela da qual o presidente faz uso para elaborar decisões que ele gostaria que fossem tomadas pelas estruturas oficiais de governo e Estado (como o Ministério da Saúde, por exemplo) – ao mesmo tempo em que presidia a criminosa omissão coletiva no caso da oferta da Pfizer para compra de vacinas.

Isso tudo tem um nome antigo: vazio de poder. É o que mantém a política brasileira neste momento tão perigosamente imprevisível.

4 comentários:

EDJAILSON XAVIER CORREIA disse...

Se os Jornalistas Antibrasil de Plantão estivessem em Maceió, Alagoas, terra governada pelo Renan da Silva Calheiros diz que manda e desmanda, e visse, nesta hora de 11;05 minutos deste dia 13 de Maio de 2021 a chegada do Presidente Bolsonaro no Aeroporto e sendo recebido por milhares de pessoas, sem mortadela ou coletivos para se ajuntarem, tudo de livre vontade, gente de todas as classes sociais, Maceió parou e a imagens mostram isso, acho que mudariam essas Pesquisas DataPeTralhas. Os Vídeos que recebo agora são de tremer a UOL, Data isso ou Data aquilo , claro e os "Juízes Diarreicos" , uma multidão enorme. Alguém acredita nessas Pesquisas ou nessa CPI ?? Algo tá errado e o povo tá despertando, em Nação onde bandidos são protegidos por quem devia defender a Constituição é porque passamos do fundo do poço e o Cidadão de Bem repele tanta bandidagem e rasgar contumaz das Leis ! Será que as Urnas Infringentes vão elegerem seu Candidato na marra e sem o voto do Povo ????

Anônimo disse...

É melhor Jair cedendo ao Centrão. E tem idiota que acredita em mito. DEUS ACIMA DE TUDO, BOLSONARO EM CIMA DE TODOS!

Anônimo disse...

https://www.poder360.com.br/economia/fmi-estima-divida-bruta-da-984-do-pib-no-brasil-em-2021/

Nao sei o que acontece em Alagoas.
Mas aqui, em Santa Catarina, esta tudo aumentando e os salarios sao baixissimos.

A gente esta triste.

EDJAILSON XAVIER CORREIA disse...

A Prova das Pesquisas mentirosas é fatal. Realmente estamos todo mundo nesse país em tristeza total, mas, estamos sendo sabotados em meio a Pandemia, desde o Decreto do STF Usurpando Poderes Constitucionais da Presidência da República e sendo Sequestrados, Roubados e Escravizados por Governadores e Prefeitos que ao fecharem Comércio, Indústria e Serviços indiscriminadamente a serviço do Crime Organizado que já tramavam um Golpe de Estado desde as últimas Eleições, se aproveitaram criminosamente da Pandemia para praticarem seus Crimes de Lesa Pátria Impunemente. Os preços estão caros porque a Economia tá parada, e se continuarmos nessa paralisia total a Nação ficará Inviável (como querem os esquerdopatas lulopetralhas) para justificar, como sempre, encontrar um Salvador. Mas, diante do caos que estamos e se continuarem parando a Economia via STF, Governadores e Prefeitos, somente Deus nos salvará de nosso Brasil virar uma "Venezuecuba', mistura piorada de Venezuela e Cuba, com um agravante, sermos Governados por Cleptocratas nos 3 Poderes, sob o Comando do Maior Ladrão do Mundo. Os preços altos e a queda Econômica é devido a paralisação da Economia, isso nos entristece. Quero como Cidadão, Eleições Livres e com Urnas Auditáveis, pois, se eles inocentam e endeusam e soltam o Maior Ladrão do Mundo e os Maiores Narcotraficantes do Mundo ao seu bel prazer, o que não farão nas próximas Eleições para que o Maior Ladrão do Mundo volte a Governar o Brasil ???? O que se passa em Santa Catarina se passa em todo Nordeste, mas, nós não nos acovardamos, ou vamos às ruas defender o Brasil, ou nossa pobreza será maior e a miséria e a fome já assustam em nossas ruas. Será que devíamos ir às ruas aplaudir o Maior Ladrão do Mundo, um Criminoso que envergonha o Povo Nordestino, e deixarmos que STF e Cãogresso Nacional em um Estado Ditatorial nos empurre goela abaixo um desqualificado que roubou mais de 2 Trilhões de Reais do Brasil e ainda foi Inocentado por seus iguais ????? Chega de Bandidos, por isso temos que ir às ruas, antes que seja tarde !!!!!