domingo, 24 de outubro de 2021

De volta ao Dia da Marmota

O problema do Dia da Marmota à brasileira, como vocês já devem ter adivinhado, é que nossas ações não têm conseguido mudar o looping do curso das coisas — do contrário, seríamos uma comédia romântica fofinha, e não nosso Brasil brasileiro. Ruy Goiaba via Crusoé:


Ninguém volta das férias impunemente: essa foi a primeira coisa que pensei ao retornar ao Bananão pelo caminho mais feio do Ocidente, a marginal Tietê, e ser recebido por lixo boiando no rio depois de uma noite de chuva. Eu vinha do Baguetão, onde passei alguns dias ensolarados de outono, e nada melhor que o esgotão do Tietê para dar logo um choque de realidade e facilitar a reentrada na atmosfera: é diferente de chegar, por exemplo, pelo Rio, onde as belas paisagens conseguem nos enganar por aproximadamente cinco segundos.

E isso nem é o pior, meus queridos dois ou três leitores: o pior é a sensação de que estou — estamos — vivendo na versão brasileira do Dia da Marmota. Está certo que foram só 15 dias, em vez dos cinco ou seis meses em que eu poderia flanar por Oropa, França e Bahia se tivesse nascido fidalgo (filho d’algo) e me mantido o mais longe possível da faculdade de jornalismo; mas reencontrar o Brasil foi como se eu tivesse tirado apenas uns 15 minutos de férias, e olhe lá.

Absolutamente tudo continua igual: Jair Bolsonaro falando as cretinices de sempre, Paulo Guedes dizendo que a economia agora vai, Davi Alcolumbre sentado em cima da sabatina de André Mendonça para o Supremo, votações no Congresso que tendem a piorar o que já é ruim, CPI da Covid — OK, terminou, mas agora o relatório vai para as mãos de Augusto Aras e Arthur Lira e eles farão, como de costume, exatamente nada —, a Covid em si, Lula-lá, a terceira-via-que-não-decola etc. E o brasileiro sabe: a única perspectiva de mudança é acontecer um desastre diferente, que nos conduza a um looping de desgraças novas.

Falei em Dia da Marmota e me dei conta de que talvez alguns leitores não tenham visto Feitiço do Tempo. Na comédia, clássico da Sessão da Tarde, Bill Murray é Phil Connors, repórter de TV rabugento obrigado a ir a Punxsutawney, Pensilvânia, em 2 de fevereiro para cobrir as festividades do Groundhog Day (título original do filme): se a marmota sair da toca nesse dia e olhar a própria sombra, haverá mais seis meses de inverno. Phil tem um dia péssimo, vai para a cama e acorda no mesmo 2 de fevereiro, com os mesmíssimos acontecimentos se sucedendo — uma espécie de “eterno retorno” nietzschiano, só que com a possibilidade de o repórter alterar os eventos cotidianos por meio de suas ações.

O problema do Dia da Marmota à brasileira, como vocês já devem ter adivinhado, é que nossas ações não têm conseguido mudar o looping do curso das coisas — do contrário, seríamos uma comédia romântica fofinha, e não nosso Brasil brasileiro. Eu talvez devesse introduzir aqui uma “nota otimista” sobre a capacidade do jornalismo de pressionar por mudanças e tal, mas o fato é que, neste dia nublado, este jornalista rabugento está vivendo intensamente a inveja da marmota: minha vontade é me esconder num buraco e só voltar no próximo inverno. Só as marmotas são felizes. (Aliás, em Feitiço do Tempo o repórter e a marmota têm o mesmo nome, e a única vantagem clara do primeiro Phil sobre o segundo — atenção, spoiler — é ficar com a Andie MacDowell no final.)

***

A GOIABICE DA SEMANA

O Bananão continuou produzindo goiabices em abundância na minha ausência: graças ao bom Deus, nisso o país nunca decepciona. Quero destacar apenas duas: um post no Facebook da USP, minha alma mater, que falava em coreanes, indianes, armênies e ÁRABUS — até agora não sei se foi erro de digitação ou se o “gênero neutro” em “árabes” não era neutro o suficiente — e um título genial da Folha, “Casos de racismo no futebol caem em ano sem público nos estádios”. Meu Deus, quem poderia imaginar? Será que sem torcida nos estádios as brigas de torcida também diminuíram? Repórteres investigativos, mexam-se!


Nenhum comentário: