segunda-feira, 29 de novembro de 2021

Biografia de Lula torna o leitor cúmplice de uma farsa político-intelectual


Em “Lula, volume 1”, o biografado é um herói abnegado, um ungido vítima de uma injustiça e investido da missão de provar sua inocência e, mais uma vez, salvar o país do jugo das elites. Paulo Polzonoff para a Gazeta do Povo:


Terminei de ler “Lula, volume 1”, de Fernando Morais, há uma semana. Abandonei o Kindle sobre o criado-mudo e, sei lá, fui viver a vida. Não fiz anotações, não dei estrelinhas no Goodreads. Sabendo que teria de escrever sobre o assunto, o máximo que consegui concatenar ao virar a última frase foi o título que encima esta coluna. E que, por puro milagre, não esqueci.

Foi necessária uma bronca do meu editor para que eu me lembrasse da leitura do calhamaço inútil. “Quero o texto sobre a biografia do Lula sobre a minha mesa até as 17h!”, exigiu ele. Me prontifiquei a fazer o que fosse possível. E, assim, os dias foram passando sem que eu fosse capaz de escrever sobre um livro que nada mais é do que um razoável fenômeno editorial oportunista de uma época corrompida pela estupidez ideológica.

Meu trabalho de Hércules tinha um complicador: o fato de eu escrever, em tese, para uma maioria de leitores que não nutre exatamente admiração pelo biografado. Nem pelo biógrafo. Ora, eu mesmo não nutro admiração ou simpatia por eles. Se Lula desperta em mim alguma coisa além de asco é só porque se trata de uma figura de inegável importância histórica. Quanto a Fernando Morais, eu agradeço pelo prazer que senti ao ler "Chatô" na adolescência. Fora isso, que pena, Fernandinho. Que pena!...

Aí se impõe o primeiro desafio ao leitor: como consumir com “neutralidade”, ou melhor, com honestidade intelectual um produto que se sabe de antemão contaminado por desonestidades político-intelectuais de toda sorte? A meu ver, é impossível. E olha que eu tentei, hein? Ah, se tentei. Linha por linha dos primeiros capítulos eu li dando todos os tipos de descontos para o autor e o objeto de sua obra. Mas o que fazer se, também linha por linha, me deparava com adjetivos e advérbios malandramente planejamentos para compor uma peça de propaganda muito distante de se passar por documento histórico?

É isso o que “Lula, volume 1” faz: torna o leitor cúmplice de uma farsa político-intelectual. Político-editorial? Político-historiográfica? Enfim, uma farsa. Como se o simples ato de ler 600 páginas chancelasse a falsa narrativa épica do herói descalço que virou imperador dos pobres, foi preso injustamente por um juiz malvado e ressurgiu das cinzas nos braços do povo, em meio a um regime fascista. Olha só esse trecho aqui (um dos poucos que anotei) em que Fernando Moraes fala da violência das delações premiadas que culminaram com a prisão de corruptos e corruptores: “Nem todos, porém, se deixaram vergar à violência. Isso não ocorreu apenas entre militantes do PT, como o bancário João Vaccari Neto...”

Em resumo, se eu lesse “Lula, volume 1” no ônibus, teria que ficar balançando negativamente a cabeça, só para mostrar aos outros passageiros que não concordo com nada daquilo. O que, por lógica, me faz crer que a biografia tenha sido escrita justamente para que os militantes exibam a sua fidelidade ao líder petista, numa triste (mas provável) sinalização de desvirtude. Curiosamente, só senti uma espécie de prazer intelectual ao ler “Lula, volume 1” depois que comecei a imaginar como um militante petista estava lendo aquele troço. Digo, tudo o que eu lia levemente indignado o petista deveria estar lendo com um prazer escandaloso.

A começar pela opção do autor de contar a vida de Lula partindo de sua prisão. Veja só. O homem governou o país por 8 anos; durante esse tempo, falou e fez o que quis; se deixou de fazer alguma coisa, não foi por falta de oportunidade; teve o apoio (comprado) do Congresso, do Judiciário, da maioria da população; deixou o cargo com recordes estratosféricos de aprovação. E ainda assim o biógrafo tem a pachorra de me dizer que Lula estava sendo preso para impedir a salvação do Brasil?

Sem falar nos muitos momentos, uns mais explícitos, outros até que sutis, de idolatria. “Lula aparentava tranquilidade” é uma descrição que, não por acaso, aparece trocentas vezes ao longo da narrativa da prisão. Que, por sinal, Fernando Morais introduz como um momento de ruptura na normalidade democrática. “A atmosfera era a de um modorrento fim de expediente como qualquer outro”, escreve Morais. Na primeira frase do livro!

Em “Lula, volume 1”, o biografado é sempre racional. Sempre carinhoso. Sempre compreensivo. Se Lula se zanga, sua ira é justificável. Afinal, ele é um herói abnegado, um ungido vítima de uma injustiça e investido da missão de provar sua inocência e, mais uma vez, salvar o país do jugo das elites. Não que eu, conhecendo o trabalho de Fernando Morais como conheço, esperasse dele uma “análise crítica” de Lula. Mas seria demais pedir um pouco de parcimônia? Um pouco de humanidade – no sentido até de se querer entender as motivações erradas de um personagem que é imperfeito por ser humano, e não só por ser petista, esquerdista, comunista, adorador de ditadores, mitômano, narcisista, messiânico, hipócrita, etc.

Felizmente para Morais, consta que o livro está vendendo bem, obrigado. Cinquenta mil cópias teriam sido vendidas na primeira semana. O que só prova que, entre os raros leitores deste país, Lula ainda é uma sereia de canto mortalmente sedutor. Isso sem falar nos que compraram o livro apenas para expô-lo na mesinha de centro, a fim de que ele sirva de tema de conversa. Ou provocação.

Infelizmente para Morais, e felizmente para quem resiste a se deixar seduzir pela sereia rouca, acintosos esforços de propaganda como “Lula, volume 1” tendem a perder força com o tempo, sobretudo depois que o biografado morre, o mito se decompõe e a verdade prevalece, senão nas estantes dos quartos-e-salas fedorentos da intelligentsia, nesse éter justo que chamamos de imortalidade.

6 comentários:

Anônimo disse...

Esta obra do Morais tem dois tomos (deve ser algum tratado de militância bajuladora), sendo que a primeira parte foi lançada agora. Não sem espanto, mensalão e outros escândalos petistas serão tratados na segunda parte, com lançamento previsto somente após a eleição de 2022 (não diga?). Então, coitado do Polzonoff, terá que ler mais trocentas páginas de abobrinhas do jornalista disfarçado de militante, no Volume 2.

Anônimo disse...

Crápula vigarista, não deveria ser lembrado, traz mal estar aos conteporaneos.

Anônimo disse...

Contra Fernando Morais e seu ídolo, Lularápio, leia "Contra o Sistema da Corrupção" e tirem suas conclusões!

Carlos. disse...

Não demora esse panfleto de péssimo gosto vai ser oferecido a 1,99 e quem vai queter?? Só a reciclagen.

Danir disse...

Estou com 70 anos e portanto acompanho Lula desde o começo. Talvez por não ter cedido aos encantos do socialismo, nunca vi nenhum valor real em sua figura. Sempre me pareceu um farsante. O tempo provou que minha percepção estava certa.
Quanto ao Biografo, também nunca me impressionou, é mais um daqueles que faz da pena um instrumento de doutrinação e falsificação da realidade. Opinião que permanece até hoje, por não ter visto nada que a fizesse mudar.
Portanto, eu nunca perderia tempo comprando uma biografia de Lula escrita por Fernando de Morais. Seria pura perda de tempo e desperdício de dinheiro.
Na minha opinião Lula deveria estar preso e Fernando de morais deveria se dedicar a obras de ficção.

Paulo Helmich disse...

Tem que ter a desonestidade gravada na alma para, depois de tudo o que vimos, ainda votar nesse Ladrão Farsante e em sua nefasta quadrilha de assaltantes do Erário!!!